3D amplia diagnóstico de problemas na visão, diz estudo

Os vícios de refração são os mais prevalentes. Catarata e doenças sistêmicas que interferem na visão respondem por 20% das consultas.

A tecnologia 3D está se tornando uma aliada da saúde ocular no Brasil. A experiência de não enxergar os efeitos no cinema, na TV ou mesmo nos videogames, tablets e smartphones está ampliando o diagnóstico de problemas na visão e até de doenças sistêmicas que interferem na saúde ocular.

No Brasil, a falta de óculos de grau é o maior obstáculo da visualização 3D entre crianças e adolescentes. Atrapalha 7 em cada 10 que buscam por consulta depois de uma frustração para enxergar 3D. É o que mostra um levantamento feito pelo oftalmologista do Instituto Penido Burnier, Leôncio Queiroz Neto, com 185 pacientes, sendo 148 com idade entre 8 e 14 anos e 37 com mais de 55.

“A maioria das pessoas não percebe os vícios de refração - miopia, hipermetropia ou astigmatismo – logo no início. Mas o 3D não funciona para quem tem qualquer limite na visão e isso não dá para passar despercebido, mesmo entre crianças”, afirma o médico.  A dificuldade para enxergar em 3D acontece porque a tecnologia apresenta imagens diferentes para cada olho que são projetadas à frente e atrás da tela, para serem fundidas pelo cérebro. Esta fusão só é perfeita quando a visão nos dois olhos é clara. Por exemplo, explica, uma pessoa míope tem o foco mais próximo do olho. Por isso, não vai conseguir enxergar o que for projetado atrás da tela sem lentes corretivas. 

Bloqueio causa cegueira infantil
Queiroz Neto conta que das crianças que participaram do estudo 6% não conseguiram enxergar 3D porque tinham ambliopia ou olho preguiçoso. Ele diz que a doença é decorrente de estrabismo não tratado ou diferença de grau entre os olhos maior que 2,5 graus, conhecida como anisometropia.  O tratamento é feito com a oclusão do olho de melhor visão para estimular o outro. Em casos de estrabismo, destaca, o tratamento pode ser feita exercícios ortópticos. Tanto a terapia para olho preguiçoso como para estrabismo só  têm efeito quando realizadas antes dos 8 anos, idade em que o olho completa o desenvolvimento. Depois disso, o bloqueio provoca cegueira funcional no olho de menor visão que deixou de ser estimulado. O médico chama a atenção para o estrabismo latente que só aparece em situações de esforço visual. A dica para os pais é observar se a criança tomba o pescoço para um lado. Isso pode sinalizar o estrabismo latente ou olho preguiçoso. O gesto mais comum dos míopes é aproximar o rosto do caderno e dos hipermétropes esticar o braço para ler. Crianças que esfregam ou coçam com frequência os olhos com frequência também indicam problemas.

Alterações em adultos
O especialista diz que dos 37 adultos que buscaram consulta após frustração no cinema 3D, 62% reclamaram de visão dupla que foi causada por hipertensão arterial e diabetes. O início de catarata respondeu pela incapacidade de enxergar 3D nos outros 38%. O médico destaca que outras doenças que podem dificultar a visão 3 D entre adultos são o glaucoma e as retinopatias. 


Como evitar o cansaço visual 
Mesmo pessoas saudáveis podem sentir fadiga visual e dor de cabeça nas exibições 3D, comenta Queiroz Neto. Para diminuir a fadiga as dicas do médico são:

- TVs ativas cansam mais os olhos do que as passivas.
- Quanto maior a tela da TV maior deve ser a distância de visualização. 
- Concentre o foco no ponto principal da imagem.
- Nos cinemas, evite as poltronas próximas à tela
- Ocupa uma posição central em relação às salas de cinema 
- Feche um dos olhos para relaxar caso sinta fadiga visual.
- Quem tem dor de cabeça prolongada ou não consegue enxergar 3D deve passar por consulta com um
  oftalmologista.